En venant du quartier résidentiel de La Marsa situé dans la banlieue nord face à la mer du Golfe de Tunis, il faut rouler presque trente minutes, traverser la vaste périphérie, passer au large du magnifique musée National du Bardo (fermé depuis les attentats de 2015 mais finalement réouvert depuis presque 6 mois), traverser le quartier de La Manouba situé au nord-ouest de la capitale tunisienne, arriver jusqu’au quartier de Denden, pour enfin découvrir l’exposition Hirafen qui nous convie à un voyage artistique magnifique où l’artisanat traditionnel rencontre la créativité contemporaine.

Quando o artesanato tunisino e a arte contemporânea se unem numa só palavra: Hirafen

Vindo do bairro residencial de La Marsa, nos subúrbios do norte, de frente para o mar no Golfo de Tunes, é preciso conduzir durante quase trinta minutos, atravessar a vasta periferia, passar pelo magnífico Museu Nacional do Bardo (fechado desde os ataques de 2015, mas finalmente reaberto há quase 6 meses), atravessar o bairro de La Manouba, no noroeste da capital tunisina, chegar ao bairro de Denden, para finalmente descobrir a exposição Hirafen, que nos convida a uma magnífica viagem artística onde o artesanato tradicional se encontra com a criatividade contemporânea. 

Hirafen é a ideia de um grupo de consultoria internacional especializado em inovação e transformação através da tecnologia, com sede na França e na Tunísia, que já realizou quatro edições anteriores: Circumambulation em 2014, Reminiscence em 2015, 3ajel-Le Temps Réel em 2016, todos os três apresentados na sede da Talan em Chari’a, depois Gorgi Pluriel em 2018 apresentado no Palácio Kheireddine não muito longe do distrito de Hafsia no centro de Tunes, é com Hirafen no C3T em Denden que a criação da Talan l’expo celebra o seu 10º aniversário com a sua 5ª edição. No espaço de uma década, o grupo de mecenato franco-tunisino, homónimo do nome da exposição, terá apresentado nada menos que noventa artistas e mais de mil obras de arte sob a direcção executiva da galerista Aïcha Gorgi, filha do célebre pintor tunisino Abdelaziz Gorgi. De uma edição para a outra, o evento tem vindo a consolidar-se, com o objectivo de ter um grande impacto na sociedade tunisina. 

Hirafa e Fen, que significam artesão e arte, são duas palavras árabes que foram deliberadamente entrelaçadas para criar Hirafen, um nome que soa como um grito de guerra, e para dar título a uma exposição gratuita que está patente desde a sua abertura no início de novembro e que se prolongará até ao final de março, num local inesperado para o público em geral, no coração da capital tunisina. Durante cinco meses, este ambicioso acontecimento vai mostrar um diálogo único entre dezanove artistas e mestres do fio ou da fibra, demonstrando uma fusão harmoniosa entre o passado e o presente, e uma criatividade surpreendente apresentada em obras de dimensões generosas que habitam maravilhosamente o espaço. As suas obras mostram-nos a importância patrimonial, social, económica e ambiental do artesanato na Tunísia. Com base neste precioso património, os organizadores criaram um conceito que visa apoiar e promover a criação contemporânea e permitir que jovens artistas de enorme talento se expressem livremente, colocando-os em destaque ao lado de artistas estrangeiros de renome.

Assim que se entra no complexo de La Station, enquanto o artesanato tradicional do fio e da fibra é apresentado no primeiro edifício, a arte contemporânea toma conta dos outros dois enormes edifícios industriais com estrutura metálica e chão de betão construídos na década de 1970. Notavelmente renovados para a ocasião pela agência Dzeta, foram repintados de branco imaculado e contrastados com portas e janelas amarelas Raqqada (símbolo de luz, energia e espírito despreocupado), fazendo um diálogo único entre a arte contemporânea e o artesanato local. Antigamente um complexo de fiação de lã e depois uma estação de lavagem de tapetes, outrora propriedade do Office National de l’Artisanat tunisien (ONAT), os 2.000 m2 de oficinas foram transformados num espaço de exposições temporárias, agora parte do Centre technique du tapis et du tissage (C3T), e estão a desfrutar de uma nova vida.

Sala a sala, descobrimos obras e instalações especialmente criadas para a ocasião por dezanove artistas multidisciplinares convidados de diferentes origens e gerações, fruto de um diálogo subtil entre as práticas artísticas contemporâneas e o artesanato têxtil local. Os nove criadores tunisinos e os outros dez oriundos de outros países expuseram as suas criações com amplitude e elegância, recorrendo a cores vivas, fibras naturais e materiais múltiplos para nos surpreender e surpreender através de uma experiência artística orquestrada por dois curadores, um tunisino, Nadia Jelassi, e outro francês, Ludovic Delalande.

Os dezanove artistas tunisinos são Asma Ben Aïssa, Meriem Bouderbala, Mohamed Amine Hamouda, Sonia Kallel, Aymen Mbarki, Aïcha Snoussi, Ali Tnani, Najah Zarbout e Aïcha Filali. E Majd Abdel Hamid (Síria), Joël Andrianomearisoa (Madagáscar), Dora Dalila Cheffi (Finlândia), Binta Diaw (Itália), Jennifer Douzenel (França), Abdoulaye Konaté (Mali), Chalisée Naamani (França), Sara Ouhad Dou (França), Zineb Sedira (França), Moffat Takadiwa (Zimbabué), no que diz respeito os artistas estrangeiros.

Cada artista foi convidado a utilizar as competências do fio e da fibra para criar uma obra específica no âmbito de uma residência de investigação e produção na Tunísia. Cada artista teve a oportunidade de abordar o artesanato local de vários pontos de vista: político, económico, territorial, artístico, geográfico e estético. Cada artista, com a sua própria prática, desenvolveu uma abordagem particular que aprofunda as muitas dimensões de um património intangível que é demasiadas vezes negligenciado, esquecido ou mesmo desaparecido, particularmente em resultado do aquecimento global e da poluição. Na década de 2000, a Tunísia tinha cerca de 700 000 artesãos, mas atualmente tem apenas 200 000.

“Através deste projecto, apercebi-me que os artistas tunisinos têm um total desconhecimento da sua própria cultura, ou seja, do seu próprio artesanato. Durante muito tempo, os artesãos trabalharam com os artistas, mas isso já não acontece atualmente. Por isso, é interessante juntar estes dois mundos para redescobrir o saber-fazer de ambas as partes”, explica Aïcha Gorgi.

E, no entanto, de norte a sul do país, nas cidades e no campo, nos espaços públicos das medinas e na intimidade das casas particulares, há séculos que homens e mulheres tecem, bordam ou entrançam fios ou fibras. Os seus gestos ancestrais, apoiados por um saber-fazer ancestral e por uma variedade de técnicas perpetuadas no tempo, deram origem a objectos cuja riqueza de materiais e diversidade de cores e motivos estão aí para nos deslumbrar.

“Apercebi-me que o artesanato, o património imaterial da Tunísia, ultrapassa a ideia de um objecto ou de um material. É mais uma forma de viver, de sentir e de pensar o mundo. Aqui, é algo que se faz na família, entre mulheres, na comunidade, que está intimamente ligado à vida quotidiana e ao contexto atual. O que é interessante é que a questão da ecologia está muito presente. Como é que se pode trabalhar, tecer, bordar ou entrançar se as pessoas já não têm acesso aos materiais de antigamente?”, diz o curador da exposição, Ludovic Delalande.

Esperam-no obras de arte monumentais, carretéis de linha estendidos no chão e que contam uma utopia pan-africana, instalações conceptuais e visuais, uma oficina de costura, uma floresta de troncos secos, uma reconstrução de um interior retro e kitsch, pulmões de raízes flutuantes, tapeçarias de animais, mergulho psicadélico subaquático, resíduos de plástico reciclado em forma de porta ou totens feitos de fibras vegetais.

“Esta exposição pretende interrogar-nos sobre a sustentabilidade do nosso ambiente, a nossa memória colectiva, o nosso património cultural e certos ofícios, técnicas e competências que estão a desaparecer gradualmente. Vai fazer-nos tomar consciência de que coisas preciosas estão a desaparecer e do que isso significa para as nossas vidas. Porque a tradição e a modernidade não são opostas, pelo contrário, alimentam-se mutuamente”, explica Mehdi Houas, Diretor-Geral do Grupo Talan e antigo Ministro do Ambiente.

Em suma, foi uma longa viagem e não foi fácil lá chegar, mas a exposição Hirafen vale mesmo a pena!

Hirafen, Expo Talan, de 4 de novembro de 2023 a 20 de março de 2024, Ateliers du Centre Technique du Tapis & du Tissage (C3T) Denden, Tunis, Tunísia.

https://talan.com/actualites/detail-actualites/news/talan-lexpo-hirafen-du-4-novembre-2023-au-20-mars-2024/

Texto de Christine Cibert

Artigos relacionados

BOLETIM SEMANAL!

Radar

Nossas melhores ideias, novidades, tendências, e pensamentos.

PT / ENG

+