Quando a Wax africana sublima a história e os livros

Yinka Shonibare, nascido em 1962, filho de pais nigerianos abastados que vivem em Londres, é um pintor, fotógrafo, escultor, artista de vídeo e performer, considerado uma das estrelas actuais da cena artística contemporânea, criando obras que relatam as emaranhadas relações históricas, políticas e económicas entre a África e a Europa, e que estão agora a atingir preços recorde em leilões. Nascido em Londres, mas criado em Lagos desde os três anos de idade, formou-se como artista em várias escolas londrinas (Byam Shaw School of Art, Central Saint Martin’s College of Art and Design e Goldsmiths’ College), onde aprendeu a realçar as suas raízes africanas. Forçado a usar uma cadeira de rodas desde os 18 anos, na sequência de uma inflamação irreversível da medula espinal, Yinka Shonibare afirma que a sua deficiência física é parte integrante da sua identidade. Prosseguiu uma carreira florescente, tendo recebido numerosos prémios de prestígio (nomeado para o Prémio Turner, Prémio Ícone de Arte da Whitechapel Gallery, Membro da Ordem do Império Britânico, elevado ao grau de Comandante da Ordem do Império Britânico) e as suas obras fazem parte das colecções permanentes de numerosos museus em todo o mundo (Tate Collection em Londres, Victoria and Albert Museum em Londres, Museu Nacional de Arte Africana – Smithsonian Institute em Washington, D.C., Museu de Arte Moderna em Nova Iorque, Museu Moderna em Estocolmo, Museu de Arte Contemporânea em Chicago e Galeria Nacional de Arte Moderna em Roma e Fundação VandenBroek nos Países Baixos), o Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, o Museu Moderna de Estocolmo, o Museu de Arte Contemporânea de Chicago, a Galeria Nacional de Arte Moderna de Roma e a Fundação VandenBroek nos Países Baixos).

No início dos anos 90, prosseguindo a sua investigação sobre as suas origens africanas, Yinka Shonibare decidiu introduzir os tecidos de wax, nos seus desenhos. Baseados nos têxteis batik indonésios, mas fabricados nos Países Baixos desde meados do século XIX e vendidos na África Ocidental, estes tecidos de algodão, com as suas cores vivas, padrões intrincados e estampados de cera, têm sido um símbolo da identidade africana desde a década de 1960. Conhecido pelas suas obras de arte extremamente coloridas, dinâmicas e bem-humoradas, Yinka Shonibare tem o prazer de transformar os clássicos da arte ocidental num fogo de artifício de tecidos multicoloridos, pondo em evidência a relação trágica entre as duas culturas – a dos “escravos” e a dos “nobres”, a dos africanos e a dos europeus, a dos colonizados e a dos colonizadores – que parecem opor-se, mas que estão, no entanto, intimamente ligadas. O artista anglo-nigeriano levanta uma série de questões que são mais actuais do que nunca: em que ponto estamos na relação entre o Ocidente e África? Poder-se-á falar de uma assimilação de uma cultura pela outra? Continuam a existir diferenças?

Uma das obras mais emblemáticas de Yinka Shonibare são as suas bibliotecas: instalações cativantes compostas por milhares de livros cuidadosamente reunidos, classificados e dispostos em filas de prateleiras pela artista ao longo de vários anos, e cobertos por uma multiplicidade de tipos diferentes de wax, com letras douradas impressas nas margens, com os nomes das personalidades por detrás da África pós-colonial, celebrando a história, a literatura, o continente africano e os próprios têxteis. Expostas em numerosas ocasiões em todo o mundo ou adquiridas por museus de renome, as suas três bibliotecas – uma inglesa, uma americana e uma africana – são como um convite para se instalar e descobrir as muitas riquezas do vasto continente africano. Uma área de estudo adjacente às estantes, equipada com tablets, está à disposição dos espectadores, que podem aceder ao sítio Web da obra e saber mais sobre as pessoas mencionadas nas capas dos livros. Os visitantes são também convidados a apresentar as suas próprias histórias, proporcionando um espaço de discussão e participação no projeto.

Em primeiro lugar, a Biblioteca Inglesa, inicialmente encomendada pelo HOUSE 2014, Brighton Festival e Brighton Museum and Art Gallery em 2014, foi apresentada no Museu Afro Brasil em São Paulo, no Turner Contemporary, Margate em 2016, no Pavilhão da Diáspora na Bienal de Veneza em 2017 e, finalmente, está instalada desde 2019 na Tate Modern em Londres. Inclui os nomes de imigrantes de primeira e segunda geração na Grã-Bretanha, tanto famosos como menos conhecidos, que deram um contributo significativo para a cultura e a história britânicas e que representam diferentes perspectivas, tanto inclusivas como dissidentes, sobre a imigração. Entre eles contam-se Alan Rickman, Zadie Smith, Winston Churchill, Mel B das Spice Girls, Hans Holbein, Zadie Smith, Dame Helen Mirren, Danny Welbeck, Nigel Farage e Oswald Mosley. “The British Library é uma exploração da diversidade da identidade britânica através de uma lente poética. Aguardo com expetativa o envolvimento do público com este trabalho”, expressou o artista em 2014, aquando da sua primeira exposição.

Em seguida, a Biblioteca Americana, originalmente encomendada pela Front International: Cleveland Triennial for Contemporary Art com fundos do VIA Art Fund e com a ajuda de James Galerie Cohan, Nova Iorque, co-apresentada em Louisville pelo Speed Art Museum e pelo 21c Museum Hotel, foi criada em 2018 e depois exibida em vários museus em toda a América do Norte e atualmente alojada na Rennie Collection. “É uma celebração da população diversificada que imigrou do estrangeiro para os Estados Unidos e dos seis milhões de americanos negros que deixaram o sul rural americano durante a Grande Migração, entre as décadas de 1910 e 1970. Este importante momento da história americana continua a fazer-nos criar, debater, esclarecer e educar”, explica Yinka Shonibare. Entre os que contribuíram significativamente para certos aspectos da vida e da cultura americanas, ou pela sua coragem em denunciar a desigualdade e a discriminação na América, contam-se W. E. B. Du Bois, Maria Goeppert Mayer, Steve Jobs, Bruce Lee, Ana Mendieta, Joni Mitchell, Toni Morrison, Barack Obama, Steven Spielberg, Carl Stokes, Langston Hughes, Angela Davis, Ralph Ellison e Elizabeth Alexander e Tiger Woods.

Por último, a Biblioteca Africana foi entregue à Fundação Norval, na Cidade do Cabo, em 2019. As lombadas de muitos dos livros ostentam os nomes de figuras notáveis do passado e do presente do continente que apoiaram e lutaram pela independência, incluindo Kwame Nkrumah, Taytu Betul, Nelson Mandela, Patrice Lumumba, Amílcar Cabral, Nnamdi Azikiwe, Taytu Betul e Funmilayo Ransome Kuti. Outros livros ostentam os nomes de africanos proeminentes que, desde a auto-governação, ajudaram a moldar a identidade moderna do continente. Estes nomes incluem chefes de Estado, bons e maus, bem como nomes de africanos e pessoas da diáspora que deram um contributo significativo para todos os aspectos da vida e cultura africanas, desde a ciência à música, arte, cinema e literatura. A Biblioteca Africana inspira-se na emancipação do continente africano e nas mudanças que ocorreram desde que as potências europeias deixaram o poder. Examina também a forma como o continente continua a tentar libertar-se do seu legado colonial e emergir como um continente moderno e autónomo. É uma comemoração da luta pela independência das colónias europeias em todo o continente africano e celebra as conquistas africanas desde a libertação do continente.

Texto de Christine Cibert.

Artigos relacionados

BOLETIM SEMANAL!

Radar

Nossas melhores ideias, novidades, tendências, e pensamentos.

PT / ENG

+